Uns dias em Jericoacoara

img_20170116_190109

Jericoacoara é um lugar que ficou mais famoso do que já era após ter sido eleito como o melhor destino turístico da América do Sul pelos usuários do TripAdvisor. Mês passado, eu fui até lá aproveitar as férias, curioso para saber se o que tanto falavam na internet faria jus à realidade. Todas as fotos deste post são de minha autoria. Este é o meu relato.

O que é Jericoacoara

Quando alguém diz que passou alguns dias em Jeri, muito provavelmente o que esse alguém quis dizer na verdade é que ficou na Vila de Jericoacoara, que fica no Parque Nacional de Jericoacoara, que por sua vez ocupa terras em Jijoca de Jericoacoara e em outros dois municípios do Ceará.

img_20170116_194440

Pôr do sol no mar de Jeri, fenômeno raro no Brasil

A vila é uma atração turística por si só. Composta por basicamente cinco ruas, todas com areia proveniente das dunas que cercam a região (não existem estradas asfaltadas por lá), é um lugar em que dá gosto de caminhar tanto de dia quanto à noite. As construções são todas muito baixas e sempre tem gente caminhando pelas ruas, o que gera um contraste bonito para quem, como eu, é acostumado com a vida na cidade grande.

Como chegar lá

O voo de Recife até Fortaleza é a parte rápida, durando apenas cerca de uma hora. Para chegar em Jeri é que se faz necessário um pouco de paciência. O trajeto que fiz foi o seguinte: da pousada até a agência de turismo numa van, e de lá até Jijoca de ônibus (com uma parada no caminho). Chegando em Jijoca, o único jeito é ir de caminhonete até a Vila de Jericoacoara. O percurso completo dura cerca de cinco horas. Ou seja, é bom separar um livro e baixar uns episódios da Netflix para fazer o tempo passar.

É a partir de abril que Jeri vai ficar mais perto dos turistas, pois é para quando está previsto o começo dos voos diretos para a região. Mas vale lembrar que ainda será preciso pegar uma caminhonete para chegar até a vila, onde ficam as hospedagens.

A hospedagem em Jeri

Lugar para se hospedar é o que não falta em Jericoacoara. As opções são para todos os bolsos, indo desde hostels e pousadas mais em conta até hotéis mais luxuosos. Fui com um grupo de mais quatro pessoas, e ficamos na Pousada Atlântica Jeri.

img_20170116_155317933_hdr

Um trecho da Rua Principal visto da pousada

Nos dividimos em dois quartos e gostamos bastante do lugar. Além das camas, as suítes possuem prateleiras, um frigobar e uma TV. Há também cabides à disposição, algo bom de se ter mesmo sem armário ou guarda-roupa no quarto. Realmente, meu único ponto negativo sobre a pousada aconteceu no último dia lá, durante o café da manhã. Os hóspedes terminavam suas refeições e não aparecia nenhum funcionário para tirar os pratos, criando acúmulos de louça suja nas mesas e atraindo moscas. Mas acredito que tenha sido um problema pontual.

O que tem pra fazer lá?

Muita coisa. Tanta coisa, aliás, que os três dias e duas noites que passei em Jeri não deram conta de cobrir tudo o que o lugar oferece. As atrações de Jericoacoara são divididas entre o litoral oeste e o litoral leste, sendo este último o que eu conheci com o grupo. Deu vontade de ficar mais tempo para ver tudo o que Jeri tem a oferecer, mas, por outro lado, foi até bom não tem conhecido o litoral oeste nesta viagem – assim, já tenho uma boa desculpa para voltar lá.

img_20170116_165226845_hdr-msf

A Pedra Furada e os turistas

img_20170117_090345299-msf

Árvore da Preguiça

Assim como acontece com a vila, o acesso até os pontos turísticos é feito de caminhonete ou buggy. Na Pedra Furada, por exemplo, o veículo nos levou até uma duna próxima e tivemos que percorrer o resto do caminho a pé. É bom para apreciar as belas paisagens e tirar fotos, mas é uma caminhada que pode cansar alguns. A Árvore da Preguiça fica no meio das dunas, e os carros param por lá para os turistas tirarem fotos.

img_20170117_084052315-msf

Uma duna vista ao longe, nos limites da vila

Fui até a Lagoa Azul (que estava bem seca devido à falta de chuvas), e também ao Alchymist Beach Club, onde ficam as famosas redes na beira de uma praia de água doce. O local é privado, mas a entrada é gratuita. Como não existe almoço grátis, lá dentro os serviços e opções de alimentação custam caro, então é bom preparar o bolso (ou uma bolsa com comida). Recomendo também chegar cedo para tirar aquela tradicional foto na rede, pois são bem poucas (só havia oito) e o sol quente pode castigar quem ficar esperando numa fila para fazer o registro. Outra dica é o passeio de jangada pelo lago, ao custo de 10 reais por pessoa.

Considerações finais

Vale muito a pena conhecer Jericoacoara. O relativamente difícil acesso até lá faz com que o turista valorize ainda mais cada pedacinho do lugar, desde as paisagens mais deslumbrantes até o saboreio de uma tapioca na noite da vila.

Você também pode gostar de ler 5 considerações sobre o Rio de Janeiro e 5 coisas que ninguém te conta sobre passar as férias nos parques de Orlando. O Mente Sem Fio está no Facebook e você pode trocar ideia comigo no Twitter.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s