Vingadores: Era de Ultron | Sequência sofre na busca por identidade

vingadores-era-de-ultron-poster

O primeiro Vingadores tem um de seus melhores momentos durante o clímax do filme. Os super-heróis estão lutando lado a lado pela primeira vez e a câmera do diretor Joss Whedon passeia, sem cortes, pelo campo de batalha mostrando a ação de cada um. É um plano sequência bonito e engenhoso que transmite sua mensagem com bastante classe. Neste novo filme o diretor utiliza esse recurso duas vezes – diluindo o efeito pretendido e evidenciando o problema da repetição, uma das falhas desta sequência. Para o bem e para o mal, Vingadores: Era de Ultron é um remake do seu antecessor.

Tudo é familiar – às vezes até demais. O que interessa numa continuação é ver como os personagens se desenvolveram desde o fim do primeiro filme, mas em vez disso o roteiro (mas uma vez assinado por Joss Whedon) prefere repetir elementos que já conhecíamos do filme anterior (e que não precisavam acontecer novamente). Mais uma vez os heróis estão em busca de um artefato místico, mais uma vez eles se desentendem feio antes de finalmente formar a união… Até a batalha final é bastante semelhante. Fica claro que o filme, apesar de dirigido e escrito por Whedon, sofreu uma mão pesada da Marvel até chegar à sua versão final. Trabalhos anteriores do realizador provam que ele não costuma se repetir – vide Buffy, série criada por Whedon que sempre surpreendia nos episódios finais das temporadas.

vingadores-era-de-ultron2

Toda essa familiaridade também tem seu lado positivo. Afinal, estamos falando de um filme que mais uma vez reúne personagens já conhecidos de outras películas pelo público. A cena de abertura celebra exatamente isso: estão lá Capitão América (Chris Evans), Homem de Ferro (Robert Downey Jr.), Hulk (Mark Ruffalo), Thor (Chris Hemsworth), Viúva Negra (Scarlett Johanson) e Gavião Arqueiro (Jeremy Renner) juntos novamente descendo a porrada nos caras malvados. Whedon, como fanboy e bom diretor que é, sabe explorar bem essa camaradagem das cenas de ação e também dos diálogos. É a continuidade natural do que vimos no filme anterior e Era de Ultron funciona muito bem enquanto segue essa linha mais descompromissada.

Ao mesmo tempo em que reaproveita o que deu certo no primeiro filme, esta sequência implementa algumas novidades que não conseguem se justificar. A começar pelo vilão Ultron (voz de James Spader) – que, diferente do carismático Loki, tem um desenvolvimento confuso e fica num apático meio termo entre ser ameaçador (com seus planos de purificação mundial) e ser frágil (os momentos em que demonstra não gostar de ficar sozinho surgem deslocados). Por outro lado, a adição dos gêmeos Pietro/Mercúrio (Aaron Taylor-Johnson) e Wanda Maximoff/Feiticeira Escarlate (Elizabeth Olsen) adiciona novidade às cenas de ação graças aos seus poderes diferenciados – Mercúrio é super veloz e sua irmã possui poderes telecinéticos. Fora da ação, no entanto a presença dos irmãos é fraca: o roteiro até tenta, mas não consegue aprofundar os personagens.

vingadores-era-de-ultron3.1

Aliás, a tentativa de aprofundar os personagens secundários prejudica bastante o andar da história. O primeiro filme estabeleceu que o encontro dos “maiores heróis da terra” deve ser uma celebração de tudo o que há de melhor no universo Marvel dos cinemas. Em vez de se assumir como tal, o filme tenta desesperadamente dar uma profundidade maior a personagens como Clint Barton/Gavião Arqueiro e Natasha Romanoff/Viúva Negra, esta última a partir do seu envolvimento com Bruce Banner/Hulk. É importante que eles sejam melhor trabalhados? Sim, mas este não era o momento. Nesse sentido, Era de Ultron passa bem longe de outras sequências do gênero como Batman: O Cavaleiro das Trevas e Homem-Aranha 2.

Vingadores: Era de Ultron é a tentativa da Marvel de se distanciar das produções mais leves que tem feito até então – uma atitude falha, pois seus melhores momentos acontecem justamente quando o filme se assume como o blockbuster descompromissado que é. Mesmo com os defeitos, existem qualidades o suficiente para manter o Universo Cinematográfico Marvel em alta nos cinemas.

Anúncios

Uma ideia sobre “Vingadores: Era de Ultron | Sequência sofre na busca por identidade

  1. Pingback: Capitão América: Guerra Civil | Azul, vermelho e muito cinza | Mente Sem Fio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s